O HPV


O papilomavírus humano (HPV) representa na mulher agente responsável pelas verrugas genitais (condilomas), neoplasias intraepiteliais de colo (NIC), vagina (NIVA), vulva (NIV) e ânus (NIA) nas mulheres, câncer de colo uterino, bem como outros cânceres genitais. Pode também provocar lesões na boca e orofaringe e cânceres destas regiões. É considerado doença sexualmente transmissível (DST), e uma das mais prevalentes.


A maioria das pessoas entrará em contato com este vírus em algum momento das suas vidas, por meio de relações sexuais, porém a infecção é de caráter transitório e não apresentará doença, com clareamento completo do vírus em até 2 anos do contágio. Oitenta por cento das pessoas terá contato com ele ao longo de suas vidas, apenas 10% terão algum tipo de doença. O risco de evolução para câncer é pequeno, da ordem de 0,5%.


O clareamento da infecção é dependente principalmente da condição imunológica da pessoa e do tipo de HPV.

Tipos de HPV


Existem cerca de 200 tipos de HPV, cerca de 40 são habitantes da região ano-genital, metade destes tem potencial cancerígeno. Os mais agressivos, com maior risco de provocar infecções persistentes e transformar as células em lesões pré-malignas são os tipos 16 e 18.


Os tipos 6 e 11 são os causadores das verrugas genitais (condilomas).

Doenças provocadas pelo HPV na mulher


Os condilomas são verrugas genitais, que se manifestam principalmente na região da vulva (parte externa dos genitais) e região anal. São lesões sem potencial cancerígeno, tem comportamento benigno. Geram desconforto, prurido, ardência, eventual sangramento e odor.


As neoplasias intraepiteliais, em colo (NIC), vagina (NIVA) e vulva (NIV), podem ser divididas em graus: baixo grau (grau I) e alto grau (grau II e III). As neoplasias de baixo grau na maioria das vezes apresentam regressão espontânea, sem qualquer abordagem de tratamento, em tempo de 6 meses a 2 anos. As neoplasias de alto grau, por apresentarem maior risco de progressão requerem algum tipo de tratamento. Nas mulheres jovens, abaixo de 24 anos, mesmo com lesão de alto grau, é possível a abordagem expectante, sem fazer o tratamento; nesta faixa etária as lesões tendem a ser de grau II e ter regressão espontânea em grande número dos casos. Estas lesões em geral não apresentam sintomas.


O diagnóstico de neoplasia de alto grau não representa ainda o câncer; merece o tratamento pelo risco evolutivo, mas não é necessário ter pânico, pois a progressão para o câncer é lenta. MANTENHA A CALMA E PROCURE UM MÉDICO ESPECIALISTA.

Diagnóstico da infecção pelo HPV


As verrugas genitais são facilmente perceptíveis a olho nú, em geral a própria paciente já as identifica. Estas lesões não precisam ser biopsiadas.


As lesões do colo do útero e da vagina, em geral tem o seu diagnóstico a partir de um exame de Papanicolaou alterado; aí está indicado o exame de colposcopia, onde se olha toda a região genital utilizando um microscópio e substâncias reagentes. As neoplasias se manifestam por áreas brancas do tecido, e ao passar um reagente a base de iodo (teste de Schiller), a área não se cora. Realiza-se então a biópsia para graduar a severidade da lesão.

Testes Moleculares no diagnóstico do HPV


Estes testes identificam o vírus, mesmo antes dele se manifestar. De acordo com o tipo de teste, pode-se identificar o grupo se é de alto risco (CH-captura híbrida) ou o tipo específico dele (PCR- reação de polimerase em cadeia). Existem outros testes no mercado, porém os mesmos apresentam algumas limitações, com sensibilidade baixa e com pouca aplicabilidade para a clínica, assim como não tem comprovação científica para uso em larga escala.


O PCR e a CH são testes de alta sensibilidade e o valor real deles e ver se a mulher é portadora de tipos cancerígenos. As indicações seriam para mulheres acima de 30 anos, pois mulheres abaixo desta idade tem muita infecção por HPV que vai ser eliminada sem risco cancerígeno, e é desnecessário saber a positividade em mulheres jovens. É utilizado de forma ética como exame de rastreamento (como se fosse a prevenção do Papanicolaou), sendo que a positividade do mesmo não é indicativa de tratamento, apenas um seguimento mais assíduo. Outra indicação é em resultado do Papanicolaou com ASCUS (atipia de células escamosas de significado indeterminado), pois pode ocorrer este tipo de atipia em processos inflamatórios outros que não provocados pelo HPV e que não precisam de avaliação ou seguimento mais rigoroso. E a última indicação é para controle dos casos que foram tratados por lesão de alto grau, onde a eliminação completa do vírus confere um melhor prognóstico.


Nas pacientes que já apresentem diagnóstico de lesão de alto grau, não há indicação destes testes pois já é sabido que isto é provocado por HPV de risco.


A colheita deve ser única, apenas do colo uterino; alguns testes tem resultados através de números, cujo valor não significada nada, como sendo infecção de menor ou maior gravidade. A importância está apenas em relação a sua positividade para HPV de alto risco.

Tratamento para as lesões do HPV


O tratamento só se aplica no caso da infecção ter provocado algum tipo de lesão. Em alguns tipos de lesão, adota-se a conduta expectante, isto é, controla sem instituir qualquer tipo de tratamento. Isto porque a infecção pelo HPV é dependente da resposta do nosso sistema imunológico, se tivermos boa imunidade, não fumarmos, dormir bem, ter boa alimentação e qualidade de vida, a doença vai embora sem deixar sequelas. Esta conduta pode ser adotada por um período que chega a 2 anos.


Os tratamentos podem ser por destruição química ou física, ou excisão (retirada) ou medicamentos imunoestimuladores.


Os agentes químicos são o ácido tricloroacético a 70-80%, 5-Fluorouracil, podofilina, podofilotoxina. Os destrutivos físicos, são a criocoagulação, eletrocoagulação e a laserterapia. Os excisionais, são a cirurgia com bisturi frio, cirurgia por alta frequência e a laserterapia excisional. Os tratamentos imunomoduladores são com o uso do imiquimod. Para cada tipo de lesão, há um tipo de tratamento específico. QUEM DEFINIRÁ QUAL SERÁ, É O SEU GINECOLOGISTA.

A PHP Error was encountered

Severity: Core Warning

Message: PHP Startup: Unable to load dynamic library '/usr/local/lsws/lsphp70/lib/php/20151012/redis.so' - /usr/local/lsws/lsphp70/lib/php/20151012/redis.so: undefined symbol: json_globals

Filename: Unknown

Line Number: 0

Backtrace: